Terapia com anticoagulantes na gravidez



    Anticoagulantes orais, tais como varfarina, dabigatran, rivaroxaban e outros são comumente prescritos para o tratamento de trombose e complicações relacionadas em homens e mulheres, entretanto eles não são considerados seguros para uso em gestantes. As mulheres que tomam anticoagulantes orais devem contactar o seu médico imediatamente após descobrir que está grávida ou quando estiver tentando engravidar. O médico recomendará que ela troque os medicamentos usados pela via oral para outro tipo de anticoagulante injetável administrado por via subcutânea, tais como a heparina padrão ou não fraccionada e também heparina de baixo peso molecular (HBPM) porque as heparinas não atravessam a barreira placentária. Consequentemente, elas não entram no corrente sanguínea do feto sendo sua segurança estabelecida para uso durante a gravidez. 


    A HBPM costuma ser mais prescrita em relação a heparina sódica porque oferece menos efeitos colaterais e tem sobrevida maior, de 24hs, exigindo menos picadas nesse período, enquanto a sobrevida da heparina sódica é de 12hs. As HBPM comercializadas aqui no Brasil são as enoxoparinas sódicas e as dalteparinas As mulheres podem ter certeza de que as injeções não são perigosas para o feto, ainda que sejam administradas no abdômen, porque as agulhas são muito pequenas e não alcançam além das camadas de gordura do tecido logo abaixo da pele. Heparina sódica e HBPM têm sido usadas ​​durante a gestação por milhares de mulheres sem causar mal formações congênitas ou problemas de sangramento em seus bebês.


    As mulheres que fazem uso de anticoagulantes requerem uma consideração especial quando se trata do trabalho de parto, entretanto um parto tranquilo e sem complicações é totalmente possível. As mulheres podem ou não, a critério médico, trocar a HBPM para a heparina padrão algumas semanas antes do parto, pela sobrevida menor. As heparinas podem ter seu uso suspenso antes do parto a fim de reduzir ainda mais o risco de hemorragia e de permitir a utilização de uma anestesia epidural (mais usada nos PNs) ou raqui (mais usada nas cesáreas). Dispositivos de compressão pneumática ou mangas simples com bombas de ar que inflam e desinflam também podem ser colocados em suas pernas e/ou braços para ajudar a melhorar o fluxo de sangue durante o parto. O médico também poderá prescrever a retomada das injeções algumas horas após o parto considerando o alto risco de TVP e embolia nas primeiras 6 semanas após o nascimento do bebê.